Parceira da fé

Palavra do Dep. Pr. Edson Praczyk em 17/07/09

Então, chegaram a Betsaida; e lhe trouxeram um cego, rogando-lhe que o tocasse. Jesus, tomando o cego pela mão, levou-o para fora da aldeia e, aplicando-lhe saliva aos olhos e impondo-lhe as mãos, perguntou-lhe: Vês alguma coisa? Este, recobrando a vista, respondeu: Vejo os homens, porque como árvores os vejo, andando. Então, novamente lhe pôs as mãos nos olhos, e ele, passando a ver claramente, ficou restabelecido; e tudo distinguia de modo perfeito. E mandou-o Jesus embora para casa, recomendando-lhe: Não entres na aldeia.
Marcos 8:22-26

Todas as manhãs entre 8h e 8h30, participo ao vivo pela Rádio Atalaia 1170 AM do Programa Bom Dia Alegria sob o comando do meu amigo e irmão pr. Oliveira Filho, neste espaço faço comentários diversos: Política, saúde, tecnologia e encerro sempre falando algo da palavra de Deus.

Recentemente citei o texto acima em um dos meus comentários, ele refere-se a cura de um cego, sabemos que o Senhor Jesus em seu ministério terreno realizou milhares de milagres, tantos que seria impossível registrá-los todos “Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez. Se todas elas fossem relatadas uma por uma, creio eu que nem no mundo inteiro caberiam os livros que seriam escritos.” (João 21:25), curas de todas as espécies inclusive de cegos, porém neste exemplo aprendemos certas lições. Inicialmente o Espírito Santo ensina independentemente quais sejam os problemas, até mesmo aqueles sem solução do ponto de vista humano, que para Deus não há impossíveis; se Ele curou o cego realizará o milagre a seu favor também, até porque é um Deus imutável “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje, e eternamente.” (Hebreus 13:8)

O que nos salta aos olhos é à atitude do Senhor Jesus tê-lo tomado pela mão a fim de conduzi-lo para fora da cidade, distantes das pessoas que trouxeram o cego até Ele, talvez porque a multidão era composta de muitos que se quer criam no milagre ou provavelmente porque o método que seria usado fugisse as tradicionais regras religiosas da época.

Que eu me lembre não há registro de nenhuma outra situação em que o Senhor Jesus tivera que impor as mãos duas vezes para efetivar o milagre, apenas neste caso o cego recobrou parcialmente a visão conforme vemos em sua resposta “Este, recobrando a vista, respondeu: Vejo os homens, porque como árvores os vejo, andando.” (Marcos 8:24) Portanto só depois do segundo toque é que a cura completou-se. A princípio acredito que embora tenha demonstrado fé, esta, não tenha sido usada em sua totalidade, talvez ainda existissem em seu coração incertezas, medos ou até mesmo o receio de decepcionar-se caso o milagre não acontecesse. Aprendemos a importância da perseverança como principal parceira da fé, uma vez que nem mesmo o Senhor Jesus foi isento de perseverar para que o cego enxergasse com perfeição, com isso a lição que deve ser guardada é o espaço ocupado pela fé dentro do nosso coração que não pode ser dividido por nenhum outro sentimento e também em determinadas situações somos obrigados a nos fazer valer da persistência como aliada nesse processo.
Pense nisso e que o Espírito Santo fale ainda mais em seu coração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *